quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Construção de templo da Igreja Mundial ganha anistia dos vereadores a pedido de Kassab



Construção de templo da Igreja Mundial ganha anistia dos vereadores a pedido de KassabConstrução de templo da Igreja Mundial ganha anistia dos vereadores a pedido de Kassab
Na quarta-feira (29) os vereadores da cidade de São Paulo que fazem parte da base governista aprovaram que a construção do templo da Igreja Mundial do Poder de Deus ocupe 137 metros da Rua Bruges, no bairro de Santo Amaro.
A votação definitiva será realizada na próxima semana, mas desde 2011 os jornais noticiam que o prefeito da cidade, Gilberto Kassab (PSD), é a favor da construção do templo para 15 mil pessoas que vai ocupar um trecho da via pública que seria estendida por meio de outro projeto.
De acordo com o jornal O Estado de São Paulo a obra não tem alvará de funcionamento e o Ministério Público Estadual entrou na justiça pedindo a demolição do que já foi construído até o momento. Fora isso, as obras na continuação da Rua Bruges começaram antes mesmo do prefeito apresentar a proposta na Câmara.
Mas ignorando todos esses fatores, 31 dos 55 vereadores paulistanos apoiaram o projeto do prefeito. O jornal afirma que a anistia foi pedida por Valdemiro Santiago e pelo deputado federal José Olímpio (PP) em troca do apoio político ao candidato José Serra (PSDB), apoiado por Kassab.
Os problemas dessa construção chegaram até a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Legislativo que pediram para que o Departamento de Aprovação de Edificações (Aprov) – órgão antes comandando por Hussain Aref Saab, afastado por suspeita de enriquecimento ilícito, entrasse em contato com a Subprefeitura de Santo Amaro para fiscalizar a construção do templo, o que não aconteceu.
Prefeitura explica sua posição
Através de uma nota a Prefeitura de São Paulo explica porque não considera ilegal a construção da Igreja Mundial em Santo Amaro. Leia:
“A lei aprovada em 1988 previa a abertura de uma via e o prolongamento da rua Bruges. Depois de executada a abertura da via prevista, a atual Antônio Elias Zogbi, mostrou-se desnecessário, conforme informado à Câmara Municipal no anexo justificando a propositura, a execução prolongamento da rua, que implicaria ainda em dispendiosa desapropriação.
O prolongamento não criaria novas possibilidades de acesso nem acrescentaria alternativas significativas ao tráfego local, conforme informado pela Superintendência de Projetos Viários da Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras.
Assim, tal iniciativa foi abandonada. Diante disso e para que a situação do imóvel possa ser regularizada, é necessária a alteração da legislação, o que motivou a elaboração do projeto de lei. Além disso, conforme a legislação vigente, o empreendedor tem a prerrogativa de iniciar as obras, por sua conta e risco, se não houver deliberação em 30 dias do pedido de aprovação do projeto.”


Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

 
Desenvolvido por Erick Haendel - Bote Féé 2010 - 2012 -